Monday, 21 September 2015

A medo vivo, a medo escrevo E Fallo ; hei medo do que fallo só comigo; mas inda a medo cuido, a medo calo. Encontro a cada passo co'um ímigo de todo bom esprito ; este me faz temer-me de mim mesmo, e do amigo. Taes novidades este tempo traz, que é necessário fingir pouco siso, se queres vida ter, se queres paz. Vida em tanta cautella, tanto aviso, quando me deixarás? quando verei um verdadeiro rosto, um simpres 'riso? Quando a mim me crerão, todos crerei sem duvidas, sem cores, sem enganos, e eu, que de mim mesmo seja Rei! Ah! tantos dias tristes, tantos annos levados pelos ares em desejos de falsos bens, e nossos tristes danos! A quem os deixa e foge, quão sobejos lhe parecem mais bens, que os que só bastam desviar da virtude os cegos pejos! Quantos as vidas, quantos almas gastam

cantar mil annos cá, E então se entreguem 

E aquelle raro esprito) ; a estes contente 


meu verso, minha prosa; os cegos ceguem.

 
Não soffrem as altas Musas meãmente 


serem tratadas; tanto que do extremo 


um pouco desço, caio baixamente''. 


Quem esprito me dá? como não tremo? 


Como ouso tentar tanto! vós sabeis, 


Musas, quanto vos amo, quanto temo. 


Soberbas confianças não sofreis, 


humilde imitação is levantando,

 
de juizos vãos leves não pendeis.

 
Andrade, Eu vou seguro desprezando 


ingenhos mal criados, a um só certo 


juizo, bom, fiel sempre me atando ; 


juizo, que conheça ao longe, e ao perto,

 
que saiba comparar á boa pintura 


o bom poema em tudo vivo e esperto, 


a fria allegoria, a má figura, 


a historia ou mal tocada, ou mal seguida, 


a feia affeitação , sentença dura; 


sentença boa, porém mal trazida, 


palavras muito novas, muito antigas, 


arte ou demasiada, ou esquecida ; 


o decoro, que quer que hua coisa digas,

 
outra cales, em outras vás detendo 


o leitor; isto fujas, isto sigas. 


De quem me isto apontar, irei pendendo,

 
ou me louve, ou reprenda; gente cega,

 
nem os estimo, nem me vão movendo. 



Negue-me loiro Apollo; Palias, nega 


teu bom fervor, e esprito, se eu mal quero

No comments:

Post a Comment